Nossa Senhora Medianeira de Todas as Graças  

                                   - Ir para os Títulos de Nossa Senhora

Comemoração  litúrgica - 31 de maio      Também nesta data:  Santos Câncio, Pascásio e Petronila de Roma

 

 

                                            

                                           Conta hoje vinte e um  séculos  a História Mariana. E ao lançarmos um olhar retrospectivo sobre este grande lapso de tempo,  vemos em grandiosos  quadros como a história dos povos gravita em  torno da  profecia da humilde Virgem. 

                                            Calvário, Efeso, Rosário, Lepanto, Pio VII, Aparecida, Dogma da Imaculada, Guadalupe,  Lourdes, Fátima, e tantos outros títulos  que lembram um passado de fatos e  vitórias das quais depende a sorte da humanidade  inteira.

                                           Mas os triunfos da  humilde Virgem não terminaram. Enquanto houver gerações sobre a terra, de continente a continente, de país  a país, de cidade a  cidade, de povoação a  povoação, pelo futuro além, ressoarão os hinos da vitória da  Grande Mãe de Deus. 

                                          Ainda chegam até nós os hinos de júbilo do magno dia 08 de dezembro de 1854 e da  solene definição dogmática da Assunção e Mediação Universal da Virgem Senhora!

                                          A doutrina de  Mediação universal de  Maria Santíssima compreende duas partes:  A Co-redenção ou a associação da Virgem Senhora à Redenção do gênero humano, e a mediação  ou intercessão necessária para obtermos qualquer  graça de Deus. 

                                         Que a  Virgem Senhora tenha sido associada à Redenção do  gênero humano,  não cabe a  menor dúvida.  O padre José Bover, S. J. (membro da então comissão pontifícia de  estudos preparatórios para a dogmatização) alega para provar esta verdade,  inúmeros  testemunhos dos Santos Padres,  doutores, pontífices,  bispos, teólogos, exegetas e da sagração da liturgia.  Eis  o que diz no seu livro “A  Mediação Universal de Maria”:

                                         Pelo que toca à tradição dos  Santos Padres, são inúmeros os  seus testemunhos.  Santo Irineu, o padre por excelência  da tradição cristã, escrevia:  “O gênero humano, sujeito à morte por uma virgem, foi salvo por outra Virgem”.

                                         Santo Efren fala inúmeras vezes da  parte que Maria teve na Redenção dos homens. Diz, por exemplo: “Eva contraiu o pecado; à Santíssima virgem ficou reservado pagar a dívida de sua mãe  e rasgar a escritura de condenação que oprimia todas as gerações”.  E não duvida de chamar a Maria “redenção dos nossos pecados – preço do resgate dos cativos – paga dos nossos delitos”.

                                        Na idade média encontramos uma série de teólogos que falam  explicitamente da co-redenção da Virgem Senhora.  Arnaldo diz que no Calvário “havia dois altares:  Um no coração de Maria, outro no coração do corpo de Cristo. Cristo imolava sua carne, e Maria sua alma. Santo Alberto Magno assim se expressa: “Companheira na Paixão, Maria tornou-se cooperadora na Redenção”.

                                        “Deus, querendo resgatar o gênero humano, depôs o preço do resgate nas mãos de Maria”, afirma são Bernardo.  Santo Antônio  ajunta que Maria foi dada a  seu Filho como cooperadora na redenção mediante a sua participação suma na Paixão.

                                         Jesus Cristo,  para honrar sua mãe, determinou que todas as  graças que Ele nos mereceu, não fossem comunicadas  aos  homens, senão por meio d’Ela.  Junto da cruz constituiu-a nossa Mãe para que dispensasse seus maternais desvelos para com todos os viventes. Este Decreto Divino, porém, não exclui a invocação de intercessão de Santos; mas se por meio deles obtemos favores, não é sem a Mediação da Virgem Senhora. É Mãe e, por isso não é sempre necessário recorrer a Ela para se alcançarem graças.   Vela por todos, mesmo não sendo invocada. 

                                         O domínio da Mediação de Maria SS.  Se  estende sobre todas as  graças  conquistadas por Jesus Cristo.   Depende diretamente de uma Mediação tudo quanto é objeto imediato da prece precatória, como são os auxílios de que carecemos para atingir nosso fim último, auxílios internos e externos, naturais e sobrenaturais, principalmente as graças atuais.

                                          Indiretamente depende a  graça santificante, tanto sua primeira infusão como o seu aumento. Indiretamente, pois, a graça santificante e seu aumento são frutos das boas obras e  dos sacramentos. Mas tudo para a boa obra como para a digna recepção dos santos sacramentos, precisamos de inúmeras graças atuais e  estas nô-las obtém a intenção de que em nós aumente a graça santificante.  

                                          Este ofício de Medianeira de todas as graças, a Virgem Senhora o está exercendo desde a sua gloriosa Assunção.

                                          Para provar esta segunda parte não há mister de muitos textos. A começar de Santo Efrem até Pio XII, todos são unânimes em aclamar a grande Mãe de Deus.    

                                                                       *  *  *  *  *  *  *  *  *

Ir para a Página Oriente

Títulos de Nossa Senhora

* Referências bibliográficas:

- Na luz Perpétua,  5ª.  ed., Pe. João Batista Lehmann, Editora Lar Católico - Juiz de Fora - Minas  Gerais,  1959.