Santa Dorotéa, Virgem e Mártir 

Comemoração Litúrgica:  06 de fevereiro.  Também nesta data - São Tito, São Paulo Miki e companheiros; São Gastão 

 Santoral da Igreja

                                     A Igreja festeja hoje o dia de uma das mais gloriosas esposas de Jesus Cristo: A vida e ainda mais a morte desta Santa é uma prova da verdade que vemos estampada na história da Igreja: que Deus se serve de preferência da fraqueza, para confundir os fortes. É a mulher cristã que, destinada a esmagar a cabeça de Satanás, dá provas de um heroísmo que dificilmente encontramos entre os homens. Daí o ódio que Satanás vota à mulher cristã, ódio este fundado no medo e na convicção da impotência dos seus esforços.

                                     Dorotéa, filha de um senador romano, nasceu em Cesaréia, na Capadócia. De educação distintíssima, Dorotéa aliava à riqueza dotes invejáveis, naturais e sobrenaturais. Tinha o governador Fabrício recebido ordens imperiais para exterminar a religião cristã. Uma das primeiras vítimas foi Dorotéa. Embora pouco aparecesse em público, era uma verdadeira apóstola de Cristo pela atividade que desenvolvia entre os cristãos, animando-os à constância na luta contra os perseguidores. Citada perante o governador, este sem delongas exigiu que sacrificasse aos deuses. Pronta lhe veio a resposta: “Sendo cristã, só servirei a Deus, rei do céu e da terra, para os deuses não tenho senão desprezo”.

                                     Na discussão que seguiu estas palavras, Fabrício, cativo da formosura de Dorotéa fingiu querer sujeitá-la à tortura, para torná-la mais condescendente. Dorotéa, porém, disse aos algozes: “Que esperais? Fazei o que é vosso dever. Sofrer pelo amado do meu coração é delícia !” Vendo que não conseguia  o intento, Fabrício entregou a Mártir a duas irmãs, Cresta e Calixta, que, há pouco haviam negado a fé. O resultado foi que as duas apóstolas, movidas pela argumentação e pela oração da Santa, se arrependeram da falta e apresentaram-se a Fabrício, declarando fidelidade a Cristo até à morte. Amarradas uma a outra, foram ambas queimadas vivas e metidas em enxofre fervente. Dorotéa, longe de lastimar a sorte das companheiras, felicitou-as pela palma do martírio que ganharam. Ela mesma foi estendida sobre o instrumento da tortura, barbaramente açoitada e de mil modos atormentada. Como sinal de desprezo pelas dores, Dorotéa louvava a Deus em altas vozes e demonstrava grande satisfação. Perguntada por Fabrício porque tanto se alegrava, respondeu-lhe: “Hoje é o dia mais belo da minha vida; pois arrebatei duas irmãs das garras do demônio e ganhei-as para Cristo; regozijo-me por isto com os Anjos e Santos. Meu coração arde de desejo de estar com meu Esposo divino. Ah !  Fabrício és tão inepto como teus deuses !”   Fabrício, diante desta ofensa, condenou a santa Mártir à morte pela espada. A donzela, ouvindo a sentença, exclamou jubilosa: “Graças a meu Deus, que me chama às núpcias eternas !” Era inverno e fazia muito frio. A natureza apresentava um aspecto triste e as árvores ostentavam os galhos desfolhados e secos. Em caminho para o lugar do suplício, Dorotéa disse às amigas que a acompanhavam: “Como é triste a terra e sem vida: feliz de mim, que vou para uma terra onde sopram ares mais suaves, onde é mais claro o brilho do sol, onde verdejam os campos, brotam fontes cristalinas, onde, no jardim de meu Esposo, vicejam as flores, desabrocham os lírios em toda formosura, abrem-se as rosas em todo o fulgor e amadurecem os frutos do paraíso”.

                                     Apanhou estas palavras Teófilo, jovem advogado, espírito folgazão, que não deixava passar ocasião, sem dizer uma sensaboria sobre a “superstição” dos cristãos. Disse à Dorotéa: “Escuta, esposa de Cristo, manda-me algumas daquelas rosas e maçãs dos jardins e pomares de teu Esposo, de quem estás a falar tanto”.

                                     Dorotéa respondeu-lhe, embora lacônica, mas resolutamente: “O que desejas, hoje mesmo o terás; não duvides, que t’o mandarei”.  Chegada ao lugar do suplício, Dorotéa ajoelhou-se e recomendou a alma ao divino Esposo. Enquanto estava rezando, apareceu-lhe um Anjo, em figura de um jovem formoso, que lhe ofereceu três maçãs belíssimas e outras tantas rosas de um aroma delicioso. Vendo o presente, Dorotéa disse ao Anjo: “Peço-te o favor de levares isto a Teófilo e dizer-lhe que são as frutas e flores, que Dorotéa lhe prometeu mandar do jardim do divino Esposo”. Dito isto, entregou-se ao algoz que, com um único golpe, pôs termo à existência terrestre da Santa.

                                     Teófilo recebeu o presente de Dorotéa na hora em que, rodeado de amigos, contava a grotesca pilhéria. Qual foi a admiração e espanto, ao ter nas mãos o penhor da promessa da santa Mártir: maçãs maduras e rosas em tempo de inverno ! De mofador, tornou-se admirador do cristianismo e esclarecido por uma luz divina, exclamou: “Não existe realmente outro Deus a não ser o dos cristãos. De hoje em diante só a ele adorarei”. De fato, converteu-se.

                                     Tendo Fabrício notícia desta conversão, mandou chamar Teófilo à sua presença, para em pessoa ter confirmação do ocorrido. Teófilo, de fato, declarou ser sua decisão absoluta seguir o exemplo de Dorotéa e abandonar o culto dos deuses, ainda que lhe custasse a vida. Custou-lhe a vida, pois Fabrício o condenou à morte pela espada. A pena foi executada imediatamente e um martírio de pouca duração levou Teófilo à bem-aventurança eterna. Pouco antes da execução, Fabrício lhe disse: “Poupa, desgraçado, a tua vida !”  ao que Teófilo respondeu: “E tu, mais desgraçado que eu, tem pena de tua alma. Pouco importa o corpo, contanto que salve a minha alma e entre no gozo de meu Deus”.

                                     As relíquias de Dorotéa e Teófilo acham-se em Roma, na Igreja consagrada à memória dos dois mártires.

Reflexões:

                                     O mau exemplo das irmãs e os maus conselhos de muitas outras pessoas não conseguiram afastar Dorotéa da lei de Deus. Muitos são os homens que, vendo-se rodeados de maus exemplos, os seguem e imitam, embalando a consciência com desculpas vãs, como se Deus não reparasse nas faltas cometidas, no meio de um dilúvio de pecados. À justiça humana escapam muitos delitos e grande é o número de criminosos que não experimentaram nem nunca experimentarão o rigor dos tribunais. A Deus, porém, são patentes todos os pecados, os individuais como os da coletividade e cada um deve prestar contas à justiça divina. Grande foi o número dos maus anjos. Todos receberam castigo e nenhum dos que se revoltaram contra Deus, ficou no céu. No dilúvio foi exterminada a humanidade toda, com exceção dos membros da piedosa família de Noé. Os habitantes de Sodoma e Gomorra pereceram todos, nas chamas da divina vingança. Assim foi, assim será sempre. Nenhum dos que contra Deus operam, praticando o mal, conseguirá esconder-se dos raios da justiça divina. Se andares com eles, receberás a paga. O grande número dos pecadores, longe de estatuir uma atenuante, mais provoca a ira de Deus, porque o pecado cometido por um número maior de homens, maior ofensa faz a Deus.

                                     Os castigos de Deus são terríveis e eternos. Lembra-te desta verdade, principalmente quando a ocasião de pecar for grande e próxima. De pouco valor e efêmero é o demônio e o pecado te oferecem e prometem. As ameaças divinas, porém, são terríveis e levam ao fogo eterno. O prazer que o pecado proporciona, é curto e fugaz; mas as penas por ele provocadas e causadas são terríveis e sem fim.

*  *  *  *  *  *  *  *  *

TÓPICOS RELACIONADOS

********** ***********  Os Santos da Igreja

Ir para  Página Oriente

Referência bibliográfica: Na luz Perpétua,  5ª.  ed., Pe. João Batista Lehmann, Editora Lar Católico - Juiz de Fora - Minas  Gerais,  1959.