NATAL DO SENHOR

25 de dezembro

Também  nesta data: Nossa Senhora de Belém, Mártires de Nicomédia, Santos Jacó e Anastácia

 

"Hoje  é a festa do Nascimento  de Nosso  Senhor  Jesus  Cristo sobre a terra". Com estas palavras a  Igreja anuncia  o grande dia de hoje, que é o aparecimento na terra do Filho de  Deus feito homem.  O Evangelho de  São Lucas conta o  Nascimento de  Nosso  Senhor, como segue:  "Aconteceu naqueles dias que saiu um edito de Cesar Augusto, para que fosse  alistado  todo o  mundo. Este  primeiro alistamento foi feito por Cirino, governador da  Síria. E iam  todos se alistar, cada um na sua cidade natal.   E subiu  também José  da  Galiléia, da cidade  de  Nazaré, à Judéia, à cidade de Davi, para se alistar com sua  esposa Maria, que estava grávida. Aconteceu , porém, que estando  ali, se completaram os dias  em que devia dar à luz. E deu  à luz o Filho primogênito  e  envolveu-o  em paninhos e  reclinou-o numa manjedoura, porque  não havia lugar para eles na estalagem. E  naquela  mesma região estavam uns pastores, vendo alternadamente e  guardando, nas vigílias  da  noite, o rebanho.  

E eis  que  se  lhes apresentou um Anjo do Senhor  e  a  claridade de Deus cercou-os de  resplendor, e tiveram grande temor. O Anjo, porém , disse-lhes: "Não  temais;  porque eis que  vos  anuncio um grande gozo, e  que o  será para todo o povo. É  que hoje  vos nasceu na cidade de Davi o Salvador, que é o Cristo Senhor.  E este  é o  Sinal para vós:  Achareis  um menino  envolto em paninhos  e  posto  numa manjedoura.   E subitamente  apareceu o  Anjo com uma multidão da milícia celeste, louvando a  Deus  e  dizendo:  "Glória a Deus  no mais alto dos  céus e  paz na terra aos  homens  de  boa vontade".  E aconteceu  que  depois que os Anjos se retiraram para o céu, os pastores falavam entre si, dizendo:   "Passemos  até Belém e  vejamos que é isto que sucedeu, que é que o Senhor nos mostrou. E vieram a  toda pressa e acharam  Maria e José e o Menino posto na manjedoura. E vendo isto, conheceram a verdade do que  se  lhes havia dito acerca deste Menino. E todos que os ouviram falar, se admiraram do que lhes  haviam referido os  pastores".

O Nascimento de  Nosso Senhor está cheio de mistérios. Considera  em primeiro lugar, porque  o Filho Unigênito de Deus quis vir  ao mundo em tanta pobreza, em lugar tão desprezível, na estação de inverno, nas trevas da noite e  longe da sociedade. Porque  não quis celebrar seu aparecimento na capital, em Jerusalém, em um dos muitos  palácios que lá havia, rodeado de todo  conforto? São Bernardo diz: 

"Não  penseis que  tudo isto  tivesse  acontecido por  acaso. A criança não escolhe  a  hora e o dia do nascimento, porque  para escolher  lhe  falta liberdade e  uso  da  razão. Com Jesus  Cristo não se dá isto. Ele, Deus feito homem, podendo determinar tempo e Lugar, escolheu justamente o que era agradável  à natureza humana e  à  Santíssima Virgem. Porque  procedeu assim?  Os Santos Padres respondem:  Primeiro:  para nos mostrar mais claramente  seu grande amor  e  incitar-nos  a  amá-lo  também. Se Cristo  tivesse vindo numa estação mais agradável; se tivesse escolhido  a  magnificência  e  comodidade de um palácio, sem dúvida haveríamos de  reconhecer-lhe  o amor para conosco que agora  mais ainda realça, vendo-o nascer em pobreza, numa  gélida noite e numa  estrebaria. Segundo: Cristo o Senhor, já desde o nascimento quis mostrar-nos  o caminho para o céu e  ensinar-nos pelo  exemplo o que mais  tarde nos disse  pela palavra. Não só o Menino Jesus como também  a  gruta, o presépio, os paninhos nos dizem  que o caminho do céu é áspero e íngreme, e não há outro  para nós, se nos  queremos  aproveitar para o aparecimento de  Nosso  Senhor.  A concupiscência  da  carne e dos  olhos, a soberba da vida são as raízes de  todos  os pecadores  e as  causadoras  da  desgraça dos homens. 

A pobreza do Menino Jesus ensina-nos a  necessidade  da humildade, da cruz e  do sofrimento, como meios de  combater os vícios, de desapegar-nos do mundo, e  servir a Deus com toda a  pureza. Tudo isto nos mostra e exemplo de  Cristo no presépio. Dizem os  Santos Padres, que o presépio de Belém é o púlpito, a  tribuna  do  Deus Menino.

Os ensinamentos  de  Nosso Senhor devem ser por nós imitados, quer nos tenham sido transmitidos  por palavras,  quer pelo exemplo.  Do pobre nascimento de  Cristo devemos  aprender  duas  coisas:  Primeiro, amemos o Menino de Belém.  E segundo, tornemo-nos semelhantes  ao Menino de Belém!"

Demos  ao menino Jesus o nosso mais sincero e  ardente amor, e imitemo-lo nas virtudes da  pobreza  e  da  humildade. Ao Menino Jesus é aplicável a  palavra  que mais tarde  o Divino Mestre, quando  pôs um menino no meio dos  Apóstolos disse:  "Se  não vos  converterdes e  não vos  tornardes  semelhantes às crianças, não entrareis no reino dos céus". 

Eis  o que o Menino Jesus  nos ensina ao nascer: desprezar  os bens  do mundo, para alcançar os bens  eternos.  

Reflexões: 

Foi  a  obediência ao Pai Eterno  que fez Jesus  Cristo descer do  céu e nascer em condições  tão humildes. Deitado  no presépio, o Menino  Jesus já podia  dizer:  "Eu faço sempre  o que  a  meu Pai agrada" ( Jo 8,29).   Como mais tarde  foi  obediente  até à cruz, obediente  também foi até  à gruta de Belém.  Obedece tu também a Deus, observa-lhe os mandamentos e procura fazer sempre o que lhe agrada. Por amor de ti o Salvador sofreu indigência, frio, desprezo; e tudo isto com a maior paciência.  Se te vierem sofrimentos e  tribulações, não te perturbes e  lembra-te de Jesus. 

"Jesus, que já sofrestes por mim, quando neste  mundo entrastes, eu  quero  sofrer por vosso amor. Se é este o caminho  para o céu, como no-lo mostrastes, e desde criança nele andastes, nele eu vos quero seguir".    

                           *  *  *  *  *  *  *  *  *

  Ir para  Página Oriente         

 Referência bibliográfica: Na luz Perpétua,  5ª.  ed., Pe. João Batista Lehmann, Editora Lar Católico - Juiz de Fora - Minas  Gerais,  1959.