Comemoração  litúrgica - 02 de agosto Também nesta data: Santo Eusébio de Vercelas; São Máximo, São Pedro Juliano Eymard e Santa Teodata

 

 

 

                                Santo Estevão  foi o sucessor  de  São Lúcio,  cuja  história  não muito difere da sua em relação às fortes perseguições sofridas, também em curto espaço de tempo (2 anos) , infligidas  também pelo imperador  Valeriano. Sua dedicação e  empenho em manter  a  mesma  linha de seu predecessor, ou seja,  inflexibilidade nas questões  relativas  à sua fé e ao  seu fiel apostolado,  fizeram que  da mesma forma, recebesse a  coroa  do martírio  pelas  mãos  do imperador  tirano. 

Filho de Julio, nasceu no final do segundo século e, apesar de haver poucos relatos  acêrca da sua infância, todas as evidências confirmam que pertencia nesta época já a uma família cristã.  Sua dedicação aos estudos das letras humanas e divinas, particularmente à vida dos Santos, fez com que em curto espaço de tempo, atingisse grau de especial distinção entre os fiéis de Roma.  Era jovem  quando foi admitido ao clero.  Os Papas São Cornélio e  São Lúcio,  que viriam a  se tornar seus predecessores,  julgaram que não se podia deixar escondida aquela brilhante tocha de  sabedoria.  Foi ordenado diácono para em seguida ser administrador dos bens  eclesiásticos, ao mesmo tempo que recebeu jurisdição vicarial.  

Logo que assumiu a  cadeira de São Pedro,   empenhou-se valorosamente no sentido de  extirpar a chama da heresia,  defendendo em primeiro lugar os sagrados cânones e as orações para culto divino. Persistia o erro da heresia  novaciana,  cuja evolução Santo Estevão acompanhou de perto desde os tempos de São Cornélio  que, após decisão conciliar,  excomungou e declarou Novato anti-papa. As raízes da heresia, apesar disso, alastraram-se danosamente.  Foi certamente por sua influência que São Cornélio  foi decapitado. São Lúcio, em apenas  oito meses, lutou implacavelmente contra ela durante seu pontificado, de apenas oito meses. 

São Cipriano,  bispo de Cartago, que desde os tempos de São Cornélio, lutou incansavelmente contra a maligna heresia,  foi uma grande coluna de  apoio aos seus sucessores Lúcio e agora Estevão.  Os erros  doutrinários eram já partilhados por muitos  membros do clero, não só do ocidente, mas também do oriente. Apesar da  condenação dos erros novacianos em diversos outros concílios, com especial empenho de São Cipriano e  também de São Dionísio, bispo de Alexandria,  a chama do erro, com enganoso pretexto de "reforma",  fazia que muitos fiéis, em debandada, apoiassem as idéias errôneas.  Foi, sem dúvida, uma triste, porém, necessária fase purgativa no seio da Igreja. Seus sectários afirmavam  que não poderia, em hipótese alguma, serem admitidos à Comunhão,  qualquer  pessoa  que tivesse caído em crime de idolatria, independente de arrependimento. E que todo o fiel que estivesse em pecado mortal,  só o poderia ser admitido, caso fosse batizado novamente.  Estenderam esta proibição à todo o gênero de culpas e  tentavam, com seus atos de insubordinação regional, comprometer o  poder de "atar e desatar", enfim o poder e autoridade divina do Papa

Sucede que, os gentis, percebendo as funestas divisões e balbúrdias promovidas  pelos hereges, encontraram oportunidade exata para intensificar as perseguições, incitando os imperadores e magistrados à moverem guerra contra a Igreja, mediante diversas artimanhas e  articulações.

Alastraram-se documentos libeláticos (falsos certificados de sacrifícios aos deuses), com os quais muitos cristãos covardes o portavam para garantir seu meio de vida, diante das perseguições imperiais.  Tais documentos alastraram-se no meio do episcopado, inclusive, foram denunciados de libeláticos Basílides - bispo de Astorga, na Espanha,  e Marcial, bispo de Márida, além da denúncia de diversos outros crimes.  Estes, apressando-se pelas denúncias, que culminariam na perda da mitra, dirigiram-se ao Papa e fizeram o que puderam para convencê-lo que tratavam-se de calúnias.  O Papa  Estevão recebeu-os com tanto amor e benignidade, que deram-se por  restituídos à cadeira episcopal.  Só que, São Cipriano e os bispos da Espanha, atentos à ardilosa astúcia de Basílides e Marcial,  cientificaram o Papa dos crimes por eles cometidos, motivo pelo qual o Papa baniu-os e  manteve-se  inflexível em sua decisão.  

Porém, o que dá maior idéia do mérito do nosso Santo é a célebre disputa que sucedeu entre os mais santos bispos da Igreja, sobre o valor da nulidade do batismo ministrado por hereges.  Parece que esta disputa teve início na Igreja de Cartago,  onde São Cipriano, baseando-se na prática de seu predecessor Agripino, ensinava que era nulo o batismo fora da Igreja Católica e, por conseguinte,  que se deviam rebatizar todos os hereges que se reconciliavam com ela. Seguiram esta mesma opinião os bispos do oriente,  que se juntaram em Icônio, especialmente no oriente como na África.  Entretanto, Santo Estevão a condenou,  e declarou que a respeito dos que voltavam ao grêmio da Igreja, de qualquer seita que fossem, nada se devia inovar, senão seguir precisamente a Tradição, que era impôr-lhes as mãos pela penitência, sem  rebatiá-los, uma vez que tivessem sido batizados em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo,  e que por outra parte não se tivesse omitido coisa alguma das essenciais ao Batismo. 

A muito custo São Cipriano mudou de parecer. Convocou muitos Concílios que confirmara sua opinião, e em virtude disso, escreveu ao Papa. O mesmo fizeram os bispos do oriente, porém,  Santo Estevão, guiado pelo Espírito Santo, que governa sempre a Igreja, escreveu a São Cipriano e aos bispos da Cilícia, da Capadócia e da Galácia, que se separaria de sua comunhão, se persistissem suas opiniões sobre o batismo dos hereges.  Com o tempo, se reduziram todos os bispos do oriente à decisão do Pontífice, contribuindo não pouco a este feliz sucesso São Dionísio, Bispo de Alexandria.  Maior foi a resistência dos bispos africanos;  porém,  no final toda a Igreja abraçou o que ficou definido por Santo Estevão. Também teve o consolo de saber por carta de São Dioníisio Alexandrino que, em geral, todo o oriente havia abandonado o partido dos novacianos, unindo-se com Roma;   ao mesmo tempo que participava desta boa notícia, se congratula com o Santo Papa dos socorros espirituais e temporais com que ajudava os fiéis da Síria e Arábia;  prova evidente do muito que se estendia sua caridade e vigilância pastoral.  

Publicou o Imperador um edito pelo qual confiscava os bens dos cristãos, e os concedia que os denunciasse.  Por esta ocasião, convocou o Papa ao clero e ao povo;  e falou com tanta energia e com tanta eficácia sobre a vaidade dos bens desta vida, que um presbítero chamado Bono, arrebatado de santo fervor,  exclamou em nome de todos, que não só estavam prontos a perder todos os seus bens,  mas a padecer os mais cruéis tormentos, e a dar a vida por Jesus Cristo,  declaração que foi recebida por aplauso universal. 

Acendido o fogo da perseguição,  é indizível o ardor com que todos de dispunham ao martírio. O Santo Papa andava de casa em casa, e passava os dias em lugares subterrâneos, oferecendo o Santo Sacrifício e dando aos fiéis a Sagrada Comunhão. Em um só dia batizou 180 catecúmenos, administrando-lhes o sacramento da confirmação, dizem as atas,  ofereceu por eles o sacrifício Incruento, sustentando-os com o Pão dos fortes, e poucos dias depois quase todos mereceram receber a coroa do martírio. 

Santo Estevão convencionou o que mais urgia na atual constituição dos negócios para o governo da Igreja,  empossando 3 presbíteros, 7 diáconos e 16 clérigos,  a  quem encomendou a custódia dos vasos sagrados e a distribuição das esmolas. Nemésio, tribuno militar, andava em busca do Santo Papa,  por ter ouvido que era um homem extraordinário e que fazia grandes milagres. Tinha o tribuno uma filha única, cega de nascença, e suplicou a Estevão que desse vista à sua filha. "O farei,  respondeu o Santo, porém, com a condição de que há de crer em Jesus Cristo, em cujo nome e virtude hei de fazer o milagre".  Sem deter-se um ponto, o prometeu Nemésio, e assegurando com juramento que se faria cristão,  acreditou em Jesus e pediu o Batismo. Instruindo-lhe o Papa e batizando-o juntamente com sua filha, o qual recobrou a vista logo que recebeu o Batismo,  se lhe deu o nome de Lucila.

À vista deste milagre, se batizaram maravilhados 63 pagãos.  Nemésio e Lucila foram presos, como também Sempronio, seu primeiro secretário,  a quem o Tribuno Olimpo ordenou que declarasse o estado de todos os bens de seu amo. Respondeu o fiel criado  ao Tribuno que  não haviam bens,  já que tudo havia sido repartido entre os pobres.  "Então tu também és cristão como teu amo?", replicou Olimpo, que se chamava o juiz. "Esta sorte tenho, e me orgulho muito dela", respondeu Sempronio.  Irritado,  Olimpo fez trazer uma estátua do deus Marte, e mandou a Sempronio em nome daquela falsa divindade, que declarasse os tesouros de seu amo. Olhando Sempronio com indignação ao ídolo,  exclamou:  "Confunda-te Nosso Senhor Jesus Cristo, Filho do Deus vivo, e faça-te em pedaços neste mesmo instante".  Imediatamente caiu o ídolo a seus pés reduzido a pó. Assombrou a Olimpo o milagre, e abrindo os olhos da alma,  creu que todos seus deuses eram quimeras, e que não havia outro verdadeiro Deus, senão Jesus Cristo.  Descobriu-se a Exupéria, sua mulher,  que interiormente era cristã; esta o confirmou sobre suas reflexões, e lhe aconselhou que se convertesse.  O fez com toda sua família, atendidos por Santo Estevão que, informado sobre o que se passava, instruiu-os, batizou-os e exortou-os à perseverança. 

Deu-se grande alvoroço em Roma pela conversão de famílias tão conhecidas;  noticiado o Imperador, cheio de ira, mandou que a todos lhes tirassem a vida no mesmo dia, tendo o Santo Papa o consolo de dar a todos sepultura.  Da mesma sorte lograram doze clérigos aos quais, à frente, estava o presbítero Bono.  Ordenou o Imperador que fosse preso Santo Estevão, e quis ver-lhe. Perguntou-le sem delongas se era aquele sedicioso que perturbava ao Estado, desviando o povo do culto devido aos deuses do Império. "Senhor, respondeu Estevão, eu não perturbo o Estado; só exorto ao povo que não renda culto aos demônios, e que adore ao verdadeiro Deus, a quem unicamente se lhe deve adorar".  "Ímpio, exclamou o imperador, dessa blasfêmia que acabas de proferir virá tua morte!" E voltando-se aos soldados de sua guarda, acrescentou: "Quero que seja conduzido ao templo do deus Marte, e que ali seja degolado e oferecido em sacrifício". 

Executou-se a ordem, mas tão logo foi conduzido, o céu rompeu em trovões, relâmpagos e raios;  caiu por terra o templo do deus Marte, e fugiram todos os pagãos. Ficou só Estevão com as pessoas que o haviam seguido. Retirou-se com eles a um lugar onde costumavam juntar-se e ofereceu o Divino Sacrifício do Corpo e Sangue de Jesus. Tão logo acabou de celebrá-lo, os soldados que o procuravam por todas as partes entraram e o degolaram sobre sua cadeira pontifical, quando exortava os cristãos ao martírio.  Sucedeu isto em 2 de agosto de 257, e seu santo corpo, junto com a cadeira em que foi sacrificado, toda banhada de sangue, foi enterrado pelos cristãos no Cemitério de Calixto.  Trasladou-se sua cabeça a Colônia, onde é singularmente venerada.  .   

Reflexões: 

Em apenas três anos de pontificado, Santo Estevão foi o protagonista de inúmeros obstáculos, perseguições e incompreensões, também conversões, milagres e os maravilhosos feitos, ora observados junto à biografia que acabamos de ler. Impressiona a sua fortíssima personalidade diante das adversidades que enfrentou, dentro e fora da Igreja. Qual serpente que se move, o poder do Mal investiu e ainda investe poderosamente contra a Igreja, não só fora de seu perímetro, mas especialmente dentro dele.  

Percebamos que, na questão do Batismo, Santo Estevão não deixou-se dobrar. Tinha plena consciência de seus poderes conferidos por Cristo, o poder das chaves, o poder de atar e desatar. Iluminado pelo Espírito Santo,   não declicou da decisão em manter o Batismo como sacramento irrepetível, aos fiéis que retornavam ao seio da Igreja, mesmo que batizados por hereges.  Considerou que, obedecido o rito batismal, sob a invocação da Santíssima Trindade,  não se admitiria novo batismo,   mesmo que sacramentados por mãos de hereges.  Considerou Santo Estevão verdadeira heresia e sacrilégio, a invocação da Santíssima Trindade pela segunda vez,  de um sacramento já consumado. Baseado nisto é que, até os dias atuais, qualquer pessoa têm autoridade e o dever de ministrar o batismo à crianças ou pessoas que estejam correndo sério risco de vida, enfim, que possam morrer sem auxílio de um padre para lhe ministrar este imprescindível sacramento. Alguém deixar-se batizar por duas vezes,  através de movimentos, seitas, denominações ou em que circunstância for, é pecado gravíssimo. Não se pode brincar com o Espírito Santo, não se pode brincar com a Santíssima Trindade. 

O fato é que Santo Estevão, lá na Igreja Primitiva, consciente disso pela luz do Espírito Santo, enfrentou forte resistência, incialmente de São Cipriano,  depois da Igreja do oriente e em seguida dos bispos da África.  Ele não enfrentou a resistência de hereges, mas de homens da Igreja,  de homens santos, que enfrentaram as heresias, como foi o caso de São Cirpriano - heresia novaciana,  e que tinham opinião diversa a respeito disso.  Sucede que o que era opinião de Santo Estevão, virou resolução oficial - ex-cátedra do Papa, que deveria ser cumprida  sob pena de excomunhão.  Ora, tanto Santo Estevão, quanto a Igreja do Oriente e da África, curvaram-se humildemente diante da determinação romana.  Aliás, para São Cipriano,  a autoridade papal era incontestável, conforme ele mesmo expressara: "A Igreja romana é cadeira de São Pedro, a Igreja por excelência, de que a união entre os Bispos se origina e na qual é inadmissível uma traição, por menor que seja."   O excesso de São Cipriano no ardor dessa discussão, não levou a um eventual cisma extensivo ao oriente e a África, porque os representantes da Igreja ali, compunham-se de homens verdadeiramente retos de coração. Não tardou que o vento do Espírito Santo varresse do mapa qualquer dúvida a respeito da decisão romana.  Dotado de zelo e ardor apostólico, postura e personalidade plantada em solo firme,  cuminou nesta falta de ponderação de São Cipriano sobre suas opiniões a respeito do batismo de hegeres.  Mas curvou-se ante a autoridade de Pedro e daquele vacilo penitenciou-se na perseguição implacável perpetrada pelo Imperador Valeriano para, finalmente,  lavar suas vestes no sangue do martírio. 

O grande exemplo de São Cripriano e de toda a Igreja do oriente e dos bispos da África é uma lição para todos os católicos de hoje:  Em assuntos relacionados à Igreja, nossa opinião de católicos é até admissível, desde que não se contraponha ao que estabelece a Igreja Romana. Em qualquer assunto, seja qual for.  A autoridade do Papa é divina,  inspirada por Deus.  Só ao Papa foi dado o poder das chaves,  o poder ligar e desligar.  Ele é o embaixador de Cristo na Terra, Seu legítimo representante, o chefe da Igreja Católica,  sobre a qual a portas do inferno nunca irão prevalecer, conforme nos assegurou o Divino Mestre. 

Veja Também a biografia de São Cipriano, clicando aqui    

 

Ir para a Página Oriente

* Referências:

- Na luz Perpétua,  5ª.  ed., Pe. João Batista Lehmann, Editora Lar Católico - Juiz de Fora - Minas  Gerais,  1959.