Os Dez Mandamentos da Lei de Deus

COMENTADOS - conforme Catecismo da Igreja Católica

 

 

 

Acesse também - OS DEZ MANDAMENTOS DA LEI DE DEUS

 

  

  

-  O Primeiro Mandamento   - 

-  EU SOU O SENHOR TEU DEUS. NÃO TERÁS OUTROS DEUSES DIANTE DE MIM  - 

 

 

442 - O que implica a afirmação de Deus: "Eu sou o Senhor teu Deus" ? (Ex. 20,2)

          Implica, para o fiel, guardar e praticar as três virtudes teologais e evitar os pecados que a elas se opõem. A fé crê em Deus e rejeita o que lhe é contràrio, como por exemplo, a dúvida voluntária, a incredulidade, a heresia, a apostasia, o cisma. A esperança espera com confiança a bem-aventurada visão de Deus e a sua ajuda, evitando o desespero e a presunção. A caridade ama a Deus acima de tudo: recusam-se, portanto, a indiferença, a ingratidão, a tibieza, a acídia ou preguiça espiritual, o ódio de Deus, que nasce do orgulho. 

443 O que comporta a Palavra do Senhor: "Adorarás o Senhor, teu Deus, e só a ele prestarás culto (Mt 4, 10)?

          Comporta: adorar a Deus como Senhor de Tudo o que existe;  prestar-lhe o culto devido individual e comunitariamente; orar a ele com expressões de louvor, de agradecimento e de súplica; oferecer-lhes sacrifícios, sobretudo o espiritual, da nossa vida, unido a sacrifício perfeito de Cristo;  manter as promessas e os votos feitos a ele. 

 444 - De que modo a pessoa exerce o próprio direito de prestar culto a Deus na verdade e na liberdade? 

          Todo homem tem o direito e o dever moral de procurar a verdade, especialmente no que diz respeito a Deus e à sua Igreja e, uma vez conhecIda, abraçá-la e guardá-la fielmente, prestando a Deus um culto autêntico. Ao mesmo tempo, a dignidade da pessoa humana exige que em matéria religiosa ninguém seja forçado a agir contra a própria consciência nem impedido, nos justos limites da ordem pública, de agir em conformidade com a sua consciência, de modo privado ou público, de forma individual ou associada. 

 

445 - O que proíbe Deus quando manda: "Não terás outros deuses além de mim?" (Ex 20,2)

          Este mandamento proíbe:  

          O politeísmo e a idolatria que diviniza uma criatura, o poder, o dinheiro, até o demônio; 

          A superstição, que é um desvio do culto devido ao verdadeiro Deus e se exprime também nas várias formas de adivinhação, magia, feitiçaria e espiritismo; 

          A irreligião, que se exprime em tentar a Deus com palavras ou atos, no sacrilégio, que profana as pessoas ou coisas sagradas, sobretudo a Eucaristia, na simonia, que pretende adquirir ou vender as realidades espirituais; 

          O ateísmo, que rejeita a existência de Deus, fundando-se muitas vezes numa falsa concepção da autonomia humana;  o agnosticismo, para o qual nada pode saber sobre Deus, e que compreende o indiferentismo e o ateísmo prático.  

442 - O Mandamento de Deus: "Não farás para ti imagens esculpidas..." (Ex 20, 3) proíbe o culto das imagens?

          No Antigo Testamento, esse Mandamento proíbe representar o Deus absolutamente transcendente. A partir da Encarnação do Filho de Deus, o culto cristão das sagradas imagens é justificado (como afirma o segundo concílio de Nicéia, de 787), pois se fundamenta no Mistério do Filho de Deus feito homem, no qual o Deus transcendente se torna visível. Não se trata de uma adoração da imagem, mas uma veneração de quem nela é representado: Cristo, a Vorgem, os Anjos e os Santos. 

 

-  O Segundo Mandamento   - 

-  NÃO PRONUNCIARÁS O NOME DE DEUS EM VÃO  - 

 

 

447 - Como se respeita a santidade no Nome de Deus?

          Respeita-se invocando o Nome santo de Deus, bendizendo-o, louvando-o e glorificando-o. Portanto, devem ser evitados o abusado de apelar para o Nome de Deus para justificar um crime e qualquer uso incoveniente do  do seu Nome, como a blasfêmia, que por sua natureza é um pecado grave, as pragas e a infidelidade às promessas feitas em Nome de Deus. 

443 Por que é proibido o juramento falso? 

          Porque assim se invoca a Deus, que é a própria verdade, como testemunha de uma mentira. 

 "Não jurar nem pelo Criador nem pela criatura senão com verdade, por necessidade e com reverência"

(Santo Inácio de Loyola

443 O que é  perjúrio?

          Perjúrio é fazer,  sob juramento, uma promessa com a intenção de não a manter; ou violar a promessa feita sob juramento. É um pecado grave contra Deus, que é sempre fiel às suas promessas. 

 

-  O Terceiro Mandamento   - 

-  LEMBRA-TE DE SANTIFICAR AS FESTAS  - 

 

 

450 - Por que Deus "abençoou o dia de sábado e o santificou" (Ex 20, 11)?

          Porque no dia de sábado se faz memória do repouso de Deus no sétimo dia da criação, bem como da libertação de Israel da escravidão do Egito e da Aliança que Deus sancionou com o seu povo. 

451 Como se comporta Jesus em relação ao sábado? 

          Jesus reconhece a santidade do sábado e, com autoridade divina, dá sua interpretação autêntica: "O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado" (Mc 2, 27).

452 - Por qual motivo, para os cristãos, o sábado foi substituído pelo domingo? 

          Porque o domingo é o dia da Ressurreição de Cristo. Como "primeiro dia da semana" (Mc 16,2), ele lembra a primeira criação;  como "oitavo dia", que segue o sábado, significa a nova criação inaugurada pela Ressurreição de Cristo.  Tornou-se assim, para os cristãos, o primeiro de todos os dias e de todas as festas: o dia do Senhor, no qual ele, com a sua Páscoa, leva a termo a verdade espiritual do sábado hebraico e anuncia o repouso eterno do homem em Deus. 

453 Como se santifica o domingo?

          Os cristãos santificam o domingo e as outras festas de preceito participando da Eucaristia do Senhor e abstendo-se também daquelas atividades que impedem de prestar culto a Deus e perturbam a alegria própria do dia do Senhor ou o necessário descando da mente e do corpo. São permitidas as  atividades ligadas a necessidades familiares ou a serviços de grande utilidade social, desde que não criem hábitos prejudiciais à santificação do domingo, à vida de família e à saúde.

454 - Por que é importante reconhecer civilmente o domingo como dia festivo?

          Para que a todos seja dada a real possibilidade de gozar de suficiente repouso de tempo livre que lhes permitam cuidar da vida religiosa, familiar, cultural e social;  de dispor de um tempo propício para a meditação, a reflexão, o silêncio e o estudo; de  dedicar-se às obras de bem, em particular em favor dos doentes e dos idosos. 

 

-  O Quarto Mandamento   - 

-  HONRAR TEU PAI E TUA MÃE  - 

 

 

450 - O que ordena o quarto mandamento?

          Ordena honrar e  respeitar os nossos pais e aqueles que Deus, para o nosso bem,  revestiu da sua autoridade.. 

455 Como se comporta Jesus em relação ao sábado? 

          Jesus reconhece a santidade do sábado e, com autoridade divina, dá sua interpretação autêntica: "O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado" (Mc 2, 27).

456 - Qual é a natureza da família no plano de Deus?

          Um homem e uma mulher unidos em matrimônio formam juntamente com seus filhos uma família.  Deus instituiu a família e  dotou-a da sua constituição fundamental. O matrimônio e a família são ordenados Para o bem dos esposos, para a procriação e para a educação dos filhos.  Entre os membros de uma mesma família estabelecem-se relações pessoais e responsabilidades primárias. Em Cristo, a família se torna igreja doméstica, porque é comunidade de fé, de esperança e de amor.

457 - Que lugar ocupa a família na sociedade?

          A família é a célula originária da  sociedade humana e antecede qualquer reconhecimento por parte da autoridade pública. Os princípios e os valores familiares constituem o fundamento da vida social. A vida de família é uma iniciação à vida da sociedade. 

458 Que deveres tem uma sociedade em relação à família?

          A sociedade tem o dever de apoiar e consolidar o matrimônio e a família, no respeito também do princípio da subsidiariedade. Os poderes públicos devem respeitar, proteger e favorecer a verdadeira natureza do matrimônio e da família, a moral pública, os direitos dos pais e a prosperidade doméstica. 

459 - Quais são os deveres dos filhos em relação aos pais?

          Em relação aos pais, os filhos devem respeito (piedade filial), reconhecimento, docilidade e obediência, contribuindo assim, inclusive com boas relações entre irmãos e irmãs, para o reconhecimento da harmonia e da santidade de toda a vida familiar. Quando os pais se encontrarem em situações de indigência, de doença, de solidão ou de velhice, os filhos adultos devem-lhes ajuda moral e material. 

460 - Quais são os deveres dos pais em relação aos filhos?

          Os Pais, participantes da paternidade divina, são os primeiros responsáveis pela educação dos filhos e os primeiros anunciadores da fé a eles.  Tem o dever de amar e respeitar os filhos como pessoas e  como filhos de Deus, e de prover, quando possível, às suas necessidades materiais e espirituais, escolhendo para eles uma escola adequada e ajudando-os com prudentes conselhos na escolha da profissão e de estado de vida. Em particular, tem a missão de os educar na fé cristã. 

461 Como os pais educam os seus filhos na fé cristã?

          Principalmente com o exemplo, a oração, a catequese familiar e a participação na vida eclesial.

462Os laços familiares são um bem absoluto?

          Os vínculos familiares, embora importantes, não são absolutos porque a primeira vocação do cristão e de seguir Jesus, amando-o: "Quem ama pai ou mãe mais do que a mim, não é digno de mim. E quem ama filho ou filha mais do que a mim não é digno de mim" (Mt 10,37).  Os pais devem favorecer com alegria o seguimento de Jesus por parte dos seus filhos, em qualquer estado de vida, mesmo na vida consagrada ou no ministério sacerdotal. 

463Como deve ser exercida a autoridade nos vários âmbitos da sociedade civil?

          Deve ser sempre exercida como um serviço, respeitando os direitos fundamentais do homem, uma justa hierarquia dos valores, das leis, da justiça distributiva e o princípio da susidiariedade. Cada qual no exercício da autoridade, deve procurar o interesse da  comunidade mais que o próprio, e deve inspirar as  suas decisões na verdade sobre Deus, sobre o homem e  sobre o mundo. 

 

464 Quais são os deveres dos cidadãos em relação às autoridades civis?

          Os que se submetem à autoridade  devem considerar seus superiores como representantes de Deus, oferecendo-lhes leal colaboração para o bom funcionamento da vida pública e social. Isso comporta o amor e o serviço da pátria, o direito e o dever de voto, o pagamento dos impostos, a defesa do país e o direito a  uma crítica construtiva. 

465 - Quando o cidadão não deve obedecer às autoridades civis?

          O cidadão não deve em consciência obedecer quando as ordens das autoridades civis se opõem às exigências da ordem moral: "É preciso obedecer a Deus antes que aos homens" (At 5, 29)

 

-  O Quinto Mandamento   - 

-  NÃO MATARÁS  - 

 

 

466 Por que a vida humana deve ser respeitada?

          Porque é sagrada. Desde seu início ela comporta a ação criadora de Deus e permanece para sempre numa relação especial com o Criador, seu único fim.  A ninguém é lícito destruir diretamente um ser humano inocente, sendo isso gravemente contrário à dignidade da pessoa e à santidade do Criador. "Não mates o inocente nem o justo" (Ex 23, 7).

467Por que a legítima defesa das pessoas e das sociedades não vai contra essa norma?

          Porque com a legítima defesa faz-se a escolha de se defender e valoriza-se o direito à vida, própria ou de outro, e não a escolha de matar.  A legítima defesa, para quem tem a responsabilidade da vida alheia, pode ser também um grave dever. Ela não deve, todavia, comportar o uso da violência maior que o necessário.

468 Para que serve uma pena?

          Uma pena, imposta por uma legítima autoridade pública, tem o objetivo de reparar a desordem introduzida pela culpa,  de defender a ordem pública e a segurança das pessoas, de contribuir para a correção do culpado.

469Que pena se pode impor?

          A pena imposta deve ser proporcional à gravidade do delito.  Depois das possibilidades de que o Estado dispõe para reprimir o crime, tornando inofensivo o culpado, os casos de absoluta necessidade de pena de morte  "são hoje muito raros, se não até praticamente inexistentes" (Evangelium vitae). Quando os meios incruentos são suficientes, a autoridade limitar-se-á a esses meios,  porque eles correspondem melhor às condições concretas do bem comum, são mais conformes à dignidade da pessoa e não tiram definitivamente do culpado a possibilidade de se redimir. 

470 O que proíbe o quinto mandamento?

          O quinto mandamento proíbe como gravemente contrários à lei moral: 

          O homicídio direto e voluntário, e a cooperação com ele; 

          O aborto direto, querido como fim ou como meio, bem como a cooperação com ele, sob pena de excomunhão, porque o ser humano, desde sua concepção, deve ser respeitado e protegido de modo absoluto em sua integridade; 

          A eutanásia direta, que consiste em pôr fim, com um ato ou omissão de uma ação devida, à vida de pessoas deficientes, doentes ou próximas da morte; 

          O suicídio e a cooperação voluntária com ele, porquanto é uma ofensa grave ao justo amor de Deus, de si e do próximo;  quanto à responsabilidade, ela pode ser agravada em razão do escândalo ou atenuada por particulares distúrbios psíquicos ou grave medo.

471Quais os procedimentos médicos são consentidos quando a Morte é considerada iminente?

          Os cuidados que ordinariamente se devem a uma pessoa doente não podem ser legitimamente interrompidos. São, porém, legítimos o uso de analgésicos, que não tenham a morte como objetivo, e a renúncia à "obstinação terapêutica", ou seja, à utilização de procedimentos médicos desproporcionais e sem razoável esperança de êxito positivo. 

472 Por que a sociedade deve proteger todo embrião?

          O direito inalienável à vida de todo indivíduo humano desde a sua concepção é um elemento constitutivo da sociedade civil e da sua legislação.  Quando o Estado não põe sua força a serviço dos direitos de todos e em particular dos mais fracos, entre os quais os concebidos ainda não nascidos,  minam-se os fundamentos mesmos de um Estado de direito.

473Como se evita o escândalo?

          O escândalo, que consiste em induzir outros a fazer o mal,  evita-se respeitando-se a alma e o corpo da pessoa. Se se induz deliberadamente outros a pecar gravemente, comete-se uma culpa grave.

474 Que devemos ter em relação ao corpo?

          Temos de ter um razoável cuidado da saúde física própria e alheia, evitando, todavia, o culto do corpo e de toda espécie de excessos. Além disso, devem ser evitados o uso de drogas que causam gravíssimos danos à saúde e à vida humana, e também o abuso dos alimentos, do álcool, do fumo e dos medicamentos. 

475 - Quando são moralmente legítimas as experiências científicas, médicas ou psicológicas com pessoas ou grupos humanos?

          São moralmente legítimas se estão a serviço do bem integral da pessoa e da sociedade, sem riscos desproporcionais para a vida e a integridade física e psíquica dos indivíduos, oportunamente informados e conscientes.

 

476São permitidos o transplante e a doação de órgãos, antes e depois da morte?

          O transplante de órgãos é moralmente aceitável com o consentimento do doador e sem riscos excessivos para ele. Para o nobre ato da doação de órgãos após a morte deve ser plenamente constatada a morte real do doador. 

477 Quais as práticas são contrárias ao respeito da integridade corpórea da pessoa humana?

          São:  a tomada de reféns e seqüestros de pessoa, o terrorismo, a tortura, a violência, a esterelização direta. As amputações e as mutilações de uma pessoa são moralmente permitidas somente para indispensãveis fins terapêuticos dela. 

478 - Que cuidados se deve ter com os moribundos?

          Os moribundos tem direito a viver com dignidade os últimos momentos da sua vida terrena, sobretudo com o apoio da oração e dos sacramentos que preparam para o encontro com o Deus vivo.

 

479Como devem ser tratados os corpos dos defuntos?

          Os  corpos dos defuntos devem ser tratados com respeito e caridade. Sua cremação é permitida se feita sem pôr em questão a fé na ressurreição dos mortos. 

480 O que pede o Senhor de toda pessoa a respeito da paz?

          O Senhor, que proclama "felizes os que promovem a paz" (Mt 5, 9), pede a paz do coração e denuncia a imoralidade da cólera, que é o desejo de vingança pelo mal recebido, e do ódio, que leva a desejar o mal para o próximo. Essas atitudes, se voluntárias e consentidas em coisas de grande importância, são pecados graves contra a caridade. 

481 - O que é a paz no mundo?

          A paz no mundo, a qual é necessária para o respeito e o desenvolvimento da vida humana, não é simples ausência de guerra ou equilíbrio de forças contrárias, mas é a "tranqüilidade da ordem" (Santo Agostinho), "fruto da justiça" (Is 32,17) e efeito da caridade. A paz terrena é imagem e fruto da paz de Cristo.

482 - O que exige a paz no mundo?

         Exige a justa distribuição e a tutela dos bens das pessoas, a livre comunicação entre os seres humanos, o respeito pela dignidade das pessoas e dos povos, a prática assídua da justiça e da fraternidade.

483 - Quando é moralmente permitido o uso da força militar?

          O uso da força militar é moralmente justificado pela presença contemporânea das seguintes condições:  certeza de um durável e grave dano sofrido;  ineficácia de toda alternativa pacífica; fundadas possibilidades de êxito; ausência de males piores, considerando o atual poder dos meios de destruição.

484 - Em caso de ameaça de guerra, a quem cabe a  avaliação rigorosa de tais condições?

         Cabe ao juízo prudente dos governantes, a quem compete também o direito de impor aos cidadãos a obrigação da defesa Nacional, salvo o direito pessoal à objeção de consciência, a se realizar com outra forma de serviço à comunidade humana.

485 - Em caso de guerra, o que exige a lei moral?

          A lei moral permanece sempre válida, mesmo em Caso de guerra. Ela exige que se tratem com humanidade os não-combatentes, os soldados feridos e os prisioneiros. As ações deliberadamente contrárias ao direito dos povos e as disposições que as impõem são crimes que a obediência cega não é suficiente para escusar. Deve-se condenar as destruições de massa, bem como o extermínio de um povo ou de uma minoria étnica, que são pecados gravíssimos, e se tem moralmente a obrigação de resistir às ordens de quem as ordena.

486 - O que é preciso fazer para evitar a guerra?

         Deve-se fazer tudo o que for razoavelmente possível para evitar qualquer tipo de guerra, dado os males e as injustiças que ela provoca. Em particular, é preciso evitar a acumulação e o comércio de armas não devidamente regulamentadas pelos poderes legítimos; as injustiças, sobretudo econômicas e sociais;  as discriminações étnicas e religiosas;  a inveja, a suspeita, o orgulho e o espírito de vingança.  O que se fizer para eliminar essas e outras desordens ajuda a edificar a paz e evitar a guerra. 

 

-  O Sexto Mandamento   - 

-  NÃO COMETERÁS ADULTÉRIO  - 

 

 

487 - Qual é o dever de uma pessoa humana em relação à própria identidade sexual?

          Deus criou o ser humano, homem e mulher, com igual dignidade pessoal, e inscreveu nele a vocação do amor e da comunhão. Cabe a cada um aceitar a própria identidade sexual, reconhecendo sua importância para a pessoa toda, a especificidade e a complementaridade.

488 - O que é castidade?

         A castidade é a positiva integração da sexualidade na pessoa. A sexualidade se torna humana quando é integridade de modo justo na relação de pessoa a pessoa. A castidade é uma virtude moral, um dom de Deus, uma graça, um fruto do Espírito. 

489 - O que comporta a virtude da castidade?

          Comporta a aquisição do domínio de si como expressão de liberdade humana voltada ao dom de si. É necessária, para esse fim,  uma integral e permanente educação, que se realiza em graduais etapas de crescimento. 

490 - Quais os meios disponíveis que ajudam a viver a castidade?

         Numerosos são os meios à disposição: a graça de Deus, a ajuda dos sacramentos, a oração, o conhecimento de si, a prática de uma ascese adequada às várias situações, o exercício das virtudes morais, em particular da virtude da temperança, que visa fazer guiar as paixões pela razão. 

491 - De que modo todos são chamados a viver a castidade?

         Todos, seguindo a Cristo, modelo de Castidade, são chamados a levar uma vida casta segundo o próprio estado de vida; uns vivendo na virgindade ou no celibato consagrado,  um modo iminente de se dedicar mais facilmente a Deus com coração indiviso; outros, se casados, vivendo a castidade conjugal; se não casados, vivendo a castidade na continência.

492 - Quais os principais pecados contra a castidade?

         São pecados gravemente contrários à castidade,  cada qual segundo a natureza do próprio objeto: o adultério, a masturbação, a fornicação, a pornografia, a prostituição, o estupro, os atos homossexuais. Estes pecados são expressão do vício da luxúria. Cometidos com menores, esses atos são um atentado ainda mais grave contra a integridade física e moral deles. 

493 - Por que o sexto mandamento, embora reze "não cometer adultério", proíbe todos os pecados contra a castidade?

         Embora no texto bíblico do Decálogo se leia "não cometer adultério" (Ex 20, 14), a Tradição da Igreja segue em conjunto os ensinamentos morais do Antigo e do Novo Testamento e  considera o sexto mandamento englobando todos os pecados contra a castidade. 

494 - Qual é o dever das autoridades civis em relação à castidade?

         Elas, por serem obrigadas a promover |o respeito da dignidade da pessoa, devem contribuir para criar um ambiente favorável à castidade, até impedindo, com as leis adequadas, a difusão de algumas das supracitadas graves ofensas à castidade, para proteger sobretudo os menores e os mais fracos. 

495 - Quais são os bens do amor conjugal, ao qual se ordena a sexualidade?

         Os bens do amor conjugal, que para os batizados é santificado pelo sacramento do matrimônio, são:  unidade, fidelidade, indissolubilidade e abertura à fecundidade. 

496 - Que significado tem o ato conjugal?

         O ato conjugal tem um duplo significado: unitivo (a mútua doação dos cônjuges) e procriador (a abertura à transmissão da vida). Ninguém deve romper a conexão inseparável que Deus quis entre os dois significados do ato conjugal, excluindo um ou outro. 

497 - Quando é moral a regulação dos nascimentos?

         A regulação dos nascimentos, que representa um dos aspectos da paternidade e maternidade responsáveis é objetivamente conforme à moralidade quando é feita pelos esposos sem imposições externas, não por egoísmo, mas por sérios motivos e com métodos conformes aos critérios objetivos da moralidade, ou seja, com a continência periódica e o recurso aos períodos infecundos. 

498 - Quais são os meios imorais para a regulação dos nascimentos?

         É intrinsicamente imoral toda ação - como, por exemplo, a esterelização direta ou contracepção - que, em previsão do ato conjugal, ou na sua realização, ou no desdobramento das suas conseqüencias naturais, se proponha como objetivo ou como meio impedir a procriação.

499 - Por que a inseminação e a fecundação artificial são imorais?

         São imorais porque dissociam a procriação do ato com que os esposos se dão mutuamente, instaurando assim um domínio da técnica sobre a origem e sobre o destino da pessoa humana. Além disso, a inseminação e a fecundação heteróloga, com o recurso a técnicas que envolvem uma pessoa estranha ao casal conjugal, ferem o direito do filho de Nascer de um pai e de uma mãe conhecidos por ele, ligados entre si pelo matrimônio e com o direito exclusivo a se tornarem pais somente um por meio do outro. 

500 - Como deve ser considerado um filho?

         O filho é um dom de Deus, o dom maior do matrimônio. Não existe um direito a ter filhos ("o filho devido, a todo custo"). Existe sim, o direito do filho ser fruto do ato conjugal dos seus pais e também o direito de ser respeitado como pessoa desde o momento de sua concepção. 

501 - O que podem fazer os esposos quando não tem filhos?

         Quando o dom do filho não lhes é concedido, os esposos, depois de ter esgotado os legítimos recorsos à medicina, podem mostrar sua generosidade mediante a guarda ou adoção, ou pela prestação de serviços significativos a favor do próximo. Realizam assim uma valiosa fecundidade espiritual. 

502 - Quais são as ofensas à dignidade do matrimônio?

         São: o adultério, o divórcio, a poligamia, o incesto, a união livre (convivência, concubinato), o ato sexual antes ou fora do matrimônio.

 

-  O Sétimo Mandamento   - 

-  NÃO ROUBARÁS  - 

 

503 - O que enuncia o sétimo mandamento?

         Enuncia a  destinação e a distribuição universal dos bens, a propriedade privada e o respeito às pessoas, a seus bens e à integridade da criação. A Igreja tem fundamentada nesse mandamento também a sua doutrina social, que compreende o retro agir na atividade econômica e na vida social e política, o direito e o dever do trabalho humano, a justiça e a solidariedade entre as nações, o amor pelos pobres.

504 - Em que condições existe o direito à propriedade privada?

         O direito à propriedade privada existe desde que adquirida ou recebida de modo justo e desde que continue primordial a destinação universal dos bens para a satisfação das necessidades fundamentais de todos os homens. 

505 - Qual é o fim da propriedade privada?

         O fim da propriedade privada é garantir a liberdade e a dignidade das pessoas individualmente, ajudando-as a satisfazer as necessidades fundamentais próprias daqueles de quem se tem responsabilidade e também de outros que vivem em necessidade.

506 - O que prescreve o sétimo mandamento?

         O sétimo mandamento prescreve o respeito aos bens alheios,  mediante a prática da justiça e da caridade, da temperança e da solidariedade. Em particular, exige o respeito das promessas e dos contratos estipulados;  a reparação da injustiça cometida e a restituição do que foi roubado; o respeito da integridade da criação mediante o uso prudente e moderado dos recursos minerais, vegetais e animais que estão no universo, com especial atenção para as espécies ameaçadas bde extinção. 

507 - Que comportamento deve ter o homem em relação aos animais?

         O homem deve tratar os animais, criaturas de Deus, com benevolência, evitando quer o excessivo amor em relação a eles, quer seu uso indiscriminado, sobretudo para experimentações científicas efetuadas fora dos limites razoáveis e com inúteis sofrimentos para os animais. 

508 - O que proíbe o sétimo mandamento?

         O sétimo mandamento proíbe em primeiro lugar o furto, que é a usurpação do bem alheio contra a razoável vontade do proprietário. Isso se verifica também no pagamento de salários injustos;  na especulação sobre o valor dos bens para disso tirar vantagem com prejuízo de outros;  na falsificação de cheques ou de faturas. Proíbe, além disso, cometer fraudes fiscais ou comerciais, causar voluntariamente um dano à propriedades privadas ou públicas. Proíbe também a usura, a corrupção, o abuso privado de bens sociais, os trabalhos mal realizados de modo culposo, o desperdício. 

509 - Qual é o conteúdo da doutrina social da Igreja?

         A doutrina social da IGreja, como desenvolvimento orgânico da verdade do Evangelho sobre a dignidade da pessoa humana e  sobre sua dimensão social, contém princípios de reflexão, formula critérios de juízo e oferece normas e orientações para a ação. 

510 - Quando a Igreja intervém em matéria social?

         A Igreja intervém ao emitir um juízo moral em matéria econômica e social quando isso é exigido pelos direitos fundamentais da pessoa, pelo bem comum ou pela salvação das almas. 

511 - Como deve ser exercida a vida social e econômica?

         Deve ser exercida, segundo os próprios métodos, no âmbito da ordem moral, a serviço do homem em sua integralidade e de toda a comunidade humana, no respeito da justiça social. Ela deve ter o homem como autor, centro e fim. 

512 - O que se opõe à doutrina social da Igreja?

         Opõem-se à doutrina social da Igreja os sistemas econômicos e  sociais que sacrificam os direitos fundamentais das pessoas, ou que fazem do lucro sua regra exclusiva ou seu fim último. Por isso a Igreja recusa ideologias associadas nos tempos modernos ao "comunismo" ou às formas atéias e totalitárias de "socialismo". Além disso, rejeita, na prática do "capitalismo", o individualismo e a primazia absoluta da lei do mercado sobre o trabalho humano. 

513 - O que significa o trabalho para o homem?

         O trabalho para o homem é um dever e um direito, mediante o qual ele colabora com Deus criador.  Com efeito, trabalhando com empenho e competência, a pessoa põe em prática capacidades inscritas na sua natureza, exalta os dons do Criador e os talentos recebidos, sustenta a si mesmo e a seus filhos, serve a comunidade humana.  Além disso, com a graça de Deus, o trabalho pode ser meio de santificação e de  colaboração com Cristo para a salvação dos outros. 

514 - A que tipo de trabalho tem direito toda pessoa?

         O Acesso a um seguro e honesto trabalho deve estar aberto a todos, sem injusta discriminação, no respeito da livre iniciativa econômica de uma justa retribuição. 

515 - Qual é a responsabilidade do Estado a respeito do trabalho?

         Cabe ao Estado promover a segurança em relação às garantias das liberdades individuais e da propriedade, além de uma moeda estável e serviços públicos eficazes; vigiar e guiar o exercício dos direitos humanis no setor econômico. Em relação às circunstâncias, a sociedade deve ajudar os cidadãos a encontrar trabalho. 

516 - Que dever tem os dirigentes de empresas?

         Os dirigentes de empresas tem a responsabilidade econômica e ecológica das suas operações. Devem considerar o bem das pessoas e não apenas o aumento dos lucros, embora eles sejam necessários para assegurar os investimentos, o futuro das empresas, a ocupação e o bom andamento da vida econômica. 

517 - Que deveres tem os trabalhadores?

         Eles devem exercer seu trabalho com consciência, competência e dedicação, procurando resolver as  eventuais controvérsias com o diálogo. O recurso à greve não-violenta é moralmente legítimo quando parecer ser o instrumento necessário em vista de uma vantagem proporcional e ao levar em conta o bem comum.

518 - Como se realiza a justiça e a solidariedade entre as nações?

         No plano internacional, todas as nações e instituições devem agir com base na solidariedade e subsidiariedade, com o fim de eliminar ou pelo menos reduzir a miséria, a desigualdade dos recursos e dos meios econômicos, as injustiças econômicas e sociais, a exploração das pessoas, o acúmulo das dívidas dos países pobres, os mecanismos perversos que obstaculizam o desenvolvimento dos países progredidos.  

519 - De que modo os cristãos participam da vida política e social?

         Os fiéis leigos intervêm diretamente na vida política e social animando, com espírito cristão, as realidades temporais e colaborando com todos, como autênticas testemunhas do Evangelho e agentes de paz e de justiça.  

520 - Em que se inspira o amor pelos pobres?

         O amor pelos pobres se inspira no Evangelho das bem-aventuranças e no exemplo de Jesus, na sua constante atenção pelos pobres. Jesus disse: "Todas as vezes que fizestes isso a um destes mais pequenos, foi a mim que o fezestes" (Mt 25,40). O amor pelos pobres se verifica mediante o empenho contra a pobreza material e também contra as numerosas formas de pobreza cultural, moral e religiosa. As obras de misericórdia, espirituais e corporais, e as numerosas instituições benéficas surgidas ao longo dos séculos são um concreto testemunho por amor preferencial pelos pobres que caracteriza os discípulos de Jesus.  

 

-  O Oitavo Mandamento   - 

-  NÃO DARÁS FALSO TESTEMUNHO  - 

 

521 - Qual o dever do homem a respeito da verdade?

         Toda pessoa é chamada à sinceridade e à veracidade no agir e no falar. Cada um tem o dever de procurar a verdade e de a ela aderir, ordenando toda a própria vida segundo as exigências da verdade. Em Jesus Cristo, a verdade de Deus se manifestou inteiramente; ele é a Verdade.  Quem o segue no Espírito de verdade, e é avesso à duplicidade, à simulação e à hipocrisia. 

522 - Como se dá testemunho da verdade?

         O cristãoi deve dar testemunho da verdade evangélica em todos os campos da sua atividade pública e provada, mesmo com o sacrifício, se necessário, da própria vida. O martírio é o supremo testemuno prestado à verdade da fé. 

523 - O que proíbe o oitavo mandamento?

          O oitavo Mandamento proíbe: 

          O falso testemunho e o perjúrio, a mentira, cuja gravidade se mede pela verdade que ela deforma, pelas circunstâncias, pelas intensões do mentiroso e pelos danos sofridos pelas vítimas;  

          O juízo temerário, a maledicência, a difamação, a calúnia, que diminuem ou destroem a boa reputação e a honra, a que tem direito toda pessoa; 

          A  bajulação, a adulação ou complacência, sobretudo endereçada a pecados graves ou à consecução de vantagens ilícitas. 

Uma culpa cometida contra a verdade comporta a reparação se causou danos a outros. 

524 - O que pede o oitavo mandamento?

         O oitavo mandamento pede o respeito à verdade, acompanhado pela discrição da caridade; na comunicação e na informação que devem avaliar o bem pessoal e o bem comum, a defesa da vida privada, o perigo de escândalo;  na manutenção dos segredos profissionais, que devem sempre ser mantidos, exceto casos excepcionais por graves e proporcionais motivos. E é também exigido o respeito pelas confidências feitas sob sigilo. 

525 - Como deve ser o uso dos meios de comunicação social?

         A informação midiática deve estar a serviço do bem comum e no seu conteúdo deve ser sempre verdadeira e, salvas a justiça e caridade, também íntegra. Deve, além disso, exprimir-se de modo honesto e conveniente, respeitando escrupulosamente as leis morais, os legítimos direitos e a dignidade da pessoa. 

526 - Que relação existe entre a verdade, beleza e arte sacra?

         A verdade é bela em si mesma. Ela comporta o esplendor da beleza espiritual. Existem, além da palavra, numerosas formas de expressão da verdade, em particular as obras artísticas. São fruto de um talento dado por Deus e do esforço do homem. A arte sacra, para ser verdadeira e bela, deve evocar e glorificar o Mistério de Deus que se mostrou em Cristo e levar à adoração e ao amor de Deus Criador e Salvador, Beleza excelsa de Verdade e de Amor. 

 

-  O Nono Mandamento   - 

-  NÃO COBIÇARÁS  A MULHER DO TEU PRÓXIMO  - 

 

527 - O Que pede o nono mandamento?

         O nono mandamento pede que se vença a concupiscência carnal nos pensamentos e nos desejos. A luta contra essa concupiscência passa pela purificação do coração e pela prática da virtude da tempetança. 

528 - O que proíbe o nono mandamento?

         O nono mandamento proíbe cultivar pensamentos e desejos relativos às ações proibidas pelo sexto mandamento

529 - Como se chega à pureza do coração?

         O batizado, com a graça de Deus e lutando contra os desejos desordenados, chega à pureza do coração mediante a virtude e o dom da castidade, a pureza de intenção, a transparência do olhar exterior e interior, a disciplina dos sentimentos e da imaginação, a oração. 

530 - Que outras exigências tem a pureza?

         A pureza exige o pudor, que, guardando a intimidade da pessoa, exprime a delicadeza da castidade e regula olhares e gestos  verdade é bela em si mesma. Ela comporta o esplendor da beleza espiritual. Existem, além da palavra, numerosas formas de expressão da verdade, em particular as obras artísticas. São fruto de um talento dado por Deus e do esforço do homem. A arte sacra, para ser verdadeira e bela, deve evocar e glorificar o Mistério de Deus que se mostrou em Cristo e levar à adoração e ao amor de Deus Criador e Salvador, Beleza excelsa de Verdade e de Amor. 

sA verdade é bela em si mesma. Ela comporta o esplendor da beleza espiritual. Existem, além da palavra, numerosas formas de expressão da verdade, em particular as obras artísticas. São fruto de um talento dado por Deus e do esforço do homem. A arte sacra, para ser verdadeira e bela, deve evocar e glorificar o Mistério de Deus que se mostrou em Cristo e levar à adoração e ao amor de Deus Criador e Salvador, Beleza excelsa de Verdade e de Amor. 

mA verdade é bela em si mesma. Ela comporta o esplendor da beleza espiritual. Existem, além da palavra, numerosas formas de expressão da verdade, em particular as obras artísticas. São fruto de um talento dado por Deus e do esforço do homem. A arte sacra, para ser verdadeira e bela, deve evocar e glorificar o Mistério de Deus que se mostrou em Cristo e levar à adoração e ao amor de Deus Criador e Salvador, Beleza excelsa de Verdade e de Amor. 

 

-       Tópicos relacionados        -

Carta Apostólica "Dies Domini"

Dez Mandamentos da Lei de Deus

 

 

Ir para a Página Oriente