Ir para a Página Oriente

Sacramento do batismo - Batismo de Adultos

 

 

 

  

                                                                                                                                               

 

 Pecado Original    

 

                                                   A humanidade, criada por Deus em estado de inocência  tornou-se  pecadora. Adão rebelou-se,   desobedeceu uma ordem estabelecida por Deus, que o criou à Sua imagem e semelhança, portanto perfeito.  Aliás, o exercício do livre arbítrio era a  condição que verdadeiramente significava a perfeição, já que Adão que era livre para escolher entre  uma coisa e outra, o bem ou o mal.  O  "pecado original"   que representa o pecado inicial, deu origem a uma sucessão de pecados, todos conseqüências do primeiro.  Por causa do seu pecado,  tendo ele (Adão) decaído dessa elevação, pode apenas  transmitir às gerações futuras uma natureza humana, igualmente decaída. Esta ruína interior que nos afasta de Deus, juntamente com Adão e  em continuação ao seu afastamento, é em nós um estado de pecado. É preciso nascer de novo através das águas do Batismo, onde a mancha é apagada. Mas, apesar da graça de Cristo, a história humana continua, em grande parte, como história de rebeldia contra Deus, sempre reiterada. Apagou-se a mancha, mas as conseqüências do pecado original persistem e por isto, Deus permite que a morte impere no gênero humano, já que a morte é o preço do pecado. 

 

                                                   Apesar de interiormente enfraquecidos na luta contra tais conseqüências, assumimos uma condição nova, uma constante batalha em cumprir os preceitos da Igreja como graça medicinal de Cristo. Vitória ou derrota, depende de cada ser humano, individualmente ou coletivamente, pelo exercício do livre arbítrio.  Exceção a esta regra divina é Maria Santíssima, a Nova Eva preanunciada, concebida sem pecado original, que aceita conceber o Novo Adão, Jesus Cristo, para restabelecer o elo quebrado pela desobediência do homem. Bondade incompreensível, impossível de ser alcançada na totalidade pelo nosso raciocínio, a vinda de Cristo para nos resgatar deste lodo em que mergulhamos.

 

                                                 Nossa existência só tem sentido após atingirmos a consciência cristã, o plano da salvação num todo, desde o dia do batismo, o primeiro grande passo,  que marca o início de uma série de sucessões sacramentais da Igreja, até o desenlace.  O batismo é o ingresso do caminho da salvação e por isto ninguém deve morrer sem estar batizado.  Em casos  extremos de  perigo de vida em que  não haja tempo para se chamar um sacerdote, qualquer  pessoa  pode  batizar. Derrama-se  água na cabeça da  criança ou  moribundo e pronuncia-se:  " N. , eu te batizo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém!". 

 

     Ablução

 

                                                Naquele que é assumido por Cristo, já não há lugar para o pecado. A água derramada significa, além de nascimento, também ablução.   O batismo purifica a pessoa dos pecados cometidos em sua vida. Arranca a raiz do pecado, o pecado original, vencido pelo contato com Jesus.  Mesmo que os pecados no homem sejam vermelhos como o escarlate, Cristo torna-o agora mais branco do que a neve. Doravante são amigos. O homem recomeça numa página inteiramente branca.  Logo depois da  unção com o crisma, entregam-se, como símbolo de  brancura e luz, a túnica branca e a vela acesa. Estes gestos são, novamente, acompanhados de lindos votos de  bênção. Encerram o rito batismal.

 

                                              Nunca se deve  repetir o batismo. (N. R. - Existem certas seitas que pregam e põe em prática um segundo batismo pela água. Tal prática, inaceitável, constitui pecado grave contra Deus. Não se pode banalizar seu profundo sentido, não se pode brincar com o Espírito Santo). Esse caráter irrepetível do batismo é expressado na fórmula teológica: O batismo da água imprime no batizado "caráter indelével". Recebe-se o batismo para todo o sempre. É claro que aquele que, durante a cerimônia não  quer formalmente ser batizado, não recebe o batismo.  

 

Rito do batismo para adultos

 

Início do catecumenato

 

Batismo de Jesus

                                                 A primeira cerimônia é a admissão dos candidatos como "catecúmenos. Realiza-se fora, à porta da igreja. Já é em si, um sinal. Também a estola roxa do celebrante significa algo: estar a caminho (O roxo é a  cor do Advento e da Quaresma). Do mesmo modo, serão significativas as  cerimônias que se seguem, com todos os seus pormenores. Tudo é imagem, figura, símbolo. Lugar, cor, gesto, material... tornam-se expressivos, eloqüentes. Não é preciso ter-se estudado, para entender tudo isso. 

 

                                                A recepção começa por uma pergunta: "Como te chamas?" A segunda pergunta reza: "Que queres?".  A resposta é tremenda nos lábios de um homem mortal: "O que é necessário para eu possuir a vida eterna!".   Em primeiro lugar, pois, a fé.  O candidato vem porque já tem fé e, no entanto, pede a fé! Tem isso semelhança com a oração do Evangelho: "Creio, Senhor, mas aumentai minha fé" (Mt 9, 24).  Significa que a fé é, em última instância, algo que se recebe, um dom,  não fruto da atividade própria. Depois de uma palavra que alude também às obras, segue-se uma interrogação sobre as disposições. O celebrante faz, então, o gesto pascal de Jesus:  Sopra sobre o batizado e ordena ao espírito maligno ceder seu lugar ao Espírito Santo. 

 

                                               Semelhante  exorcismo voltará várias  vezes na cerimônia. Manda que vá embora o mal que ameaça o homem. Em lugar do nome  impessoal "mal" usa-se sempre o nome  pessoal "demônio".  Com isso, indica-se  também qualquer mal, quer por influência dos  pecados dos outros, quer pelas próprias  inclinações más, ou pelos erros anteriores praticados  contra Deus. Toda a solenidade é bastante vigorosa: A luz encontra-se em face das trevas. Com toda  razão. Pois, esse  sinal sacramental é uma breve, porém, intensa vivência, de um pedaço de história de vida. A luta da vida, a contínua conversão do batizado, é recapitulada com brevidade e profundidade bíblicas, sem meias-tintas: Os momentos de tentação, encruzilhada, trevas, desesperança que já houve no passado e que haverá no futuro - e em oposição a tudo isso, cada vez: A paz de  Deus, bondade, alegria.  Em suma:  expulsão do espírito maligno - recepção do Espírito bom. 

 

                                              O rito continua. O celebrante faz o sinal da  cruz  na fronte, nos ouvidos, nos olhos, no nariz, na boca, no peito, nas espáduas do batizando. Todo o corpo é compenetrado da luz da santa cruz. O gesto é acompanhado de votos e orações.  Neste primeiro contato, a  Igreja não pode dar ainda a Eucaristia, mas, oferece um pouco de sal. Significa o combate à corrupção e  também que as coisas de Deus possuirão sabor agradável: Sal sapientiae. Há, enfim, também algo no sentido de provocar sede, desejo de água. Aqui se despede, então, o batizando: Começa o catecumenato, que pode durar, às vezes, vários anos. 

 

 

Proclamação da fé - novo exorcismo

 

                                                A segunda cerimônia começa, novamente, por um representação simbólica da  luta entre Deus e o Demônio, no homem. O batizando reza o Pai-Nosso e  é marcado com o sinal da cruz pelo padrinho ou pela madrinha e pelo celebrante. Conjura-se o mal para que se afaste. Em seguida, é o batizando introduzido na igreja, onde passa  alguns momentos em ação de graças.

 

                                                A seguir, proclama alto a sua fé, recitando o Símbolo dos Apóstolos, seguido do Pai-Nosso. (Já chama a Deus de "Pai"!). O que se passou num processo interno e em lições fechadas, proclama-se, agora, diante da comunidade e de Deus.  Um limiar que pode inspirar medo! Mas isto faz parte do sacramento.  Nele  Cristo fala ao homem, mas o homem deve responder audivelmente, no meio da comunidade eclesial: O sacramento é diálogo. 

 

                                               Depois da resposta do  batizando, é novamente a  vez de Cristo, através da  boca e da mão da Igreja, representadas  pelo sacerdote celebrante. Após novo exorcismo. repete-se o lindo gesto de Jesus, que tocava com saliva os ouvidos do  surdo. Não eram os milagres de Jesus, realmente, sinais de  cura profunda que Ele realiza aqui?  O gesto é acompanhado da  palavra: "Effeta", isto é: "Abre-te". Tocam-se, também, as narinas: Para se poder receber o suave odor de Cristo. 

 

                                              No final da solenidade, o batizando eleito é ungido entre as espáduas. faz-se isto com óleo dos catecúmenos, que simboliza a flexibilidade e  vigor para o combate. Também isto é resposta de  Cristo, pelo sinal sensível de  sua Igreja: força para perseverar. 

 

 

Batismo

 

                                              Entretanto, ainda não se efetuou o principal: o batismo.  Pode ser recebido em qualquer hora, de qualquer dia ou noite ou noite do ano. Uma noite, porém, é especialmente escolhida para esta cerimônia: A noite em que Jesus ressuscitou para a vida eterna.  Por isto é que nessa noite se canta, jubilosamente, sobre a água batismal, em que esta é consagrada para a sua destinação. Sim, é com água que se batiza!  O Exultet, essa oração cantada bem alto na noite pascal, folheia toda a Bíblia, para tomar consciência do sentido tremendo desse elemento: Desde as águas primordiais, sobre as quais pairava o Espírito criador e vivificador de Deus, passando pelas correntes do dilúvio e do Mar Vermelho, até à água que jorrou do lado de Jesus no alto da cruz. 

 

                                             Esse mesmo elemento, o mais maternal de  todos os elementos, foi por Deus predestinado para ser igualmente o sinal eficaz de  nosso conhecimento celeste. "Queira, suplicamos, o Espírito Santo, pela efusão secreta de suas virtudes, fecundar esta água, destinada a regenerar os homens, a fim de que, do seio puríssimo desta fonte divina, saia nova geração celeste, concebida por santificação, renascida numa criatura nova" (canto de consagração da água batismal na noite pascal). 

 

                                            Imediatamente antes do batismo, o celebrante pergunta, mais uma vez, pela fé do batizando. Segue-se, então, a  interrogação formal, se ele veio por própria e  livre vontade: "Quereis ser batizado?"  Só depois desta pergunta positiva do catecúmeno, é derramada sobre ele  a água batismal, enquanto ressoam as palavras do celebrante: "Eu te batizo em nome do Pai, do Filho e  do Espírito Santo" (Mt 28, 19).  A água diz "nascimento";  a palavra indica "qual o nascimento":  Que o Espírito Santo vem habitar em nós, dando-nos vida, e transformando-nos em  filhos e  filhas do Pai. Logo depois do batismo, faz-se a unção com crisma, cujo odor  simboliza o Espírito Santo. 

 

                                           Pelo Espírito santificador em nós, entramos e  permanecemos em Cristo, como também Cristo entra e permanece em nós. Pelo mesmo Espírito, ficamos cheios da graça santificadora. 

 

 

                                          Nós, batizados em Cristo, declaramo-nos solidários com o seu caminho: Serviçalidade, pequenez, humildade, obediência até a morte. Aceitamos o nosso batismo de vida, enfim, a morte. A nossa morte é o nosso batismo, no sentido mais próprio. Dizemos "sim" a ela, como Jesus, com Jesus e  por Jesus. Pois, se o Senhor nos salvou, não significa, afinal de contas, que Ele nos tornou isentos de  sofrimentos. Significa  que podemos colaborar com Ele para nos salvar a nós e aos outros, e fazê-lo da mesma maneira que Ele.  Esta maneira, Jesus  explicou-a com as palavras: "Podeis vós beber o cálice que eu vou beber  e  ser batizados no batismo em que eu vou ser batizado?" (Mc 10, 38). 

 

                                         Talvez haja quem ache sombria essa idéia no dia alegre do Batismo: Ser consagrado à morte!  Mas pode haver maior consolação?  A nossa vida que vai morrendo, poderá, com Jesus, ser fecunda, em vez de absurda. Deus tornou as  dores da humanidade dores de parto de vida nova. Se a água em que entramos é sinal de morte, quando dela  surgimos, torna-se  sinal de ressurreição e nascimento. Por isso, a noite pascal, sumamente alegre, é a noite do batismo.

 

 

 

Referência

                      Referências:  Catecismo da Igreja - "A Fé para Adultos " , Edições Loyola, 1970;

                       Introdução e conclusão por Página Oriente - tendo por base  referências contidas no Catecismo da Igreja.  

Imagens

                      Arte por Página Oriente.

                      Imagem do Batismo de Jesus - http://www.christusrex.org/www1/giotto/SSC-battesimo.jpg 

-       Tópicos relacionados        -

Batismo de Crianças 

Os Não Batizados

Confirmação ou Crisma

 

 

 

Ir para a Página Oriente